Os jovens foram uma presença importante no XXIV Congresso Regional do PSD/Açores.

O PSD/Faial publica a intervenção de Ricardo Costa, presidente da JSD do Faial.

“Senhor Presidente da Mesa do Congresso e restantes membros da Mesa,
Senhor Presidente do PSD/Açores,
Senhoras e Senhores congressistas,
Caras e caros companheiros,

Em primeiro lugar, gostaria de deixar uma mensagem de união ao Triângulo, enquanto faialense e uma vez que o congresso está a ser realizado na ilha do Pico. O Triângulo encontra-se cada vez mais distante não só por causa dos seus próprios conterrâneos mas também pelo incentivo do governo socialista ao criar guerrilhas bairristas entre estas três ilhas. O Triângulo unido é melhor e o Triângulo próximo é mais forte que uma só ilha.

Se me permite, Senhor Presidente, também gostaria de dirigir dois cumprimentos especiais. O primeiro, a todos os congressistas da ilha vizinha do Faial.

O Faial foi afetado no passado mês de Outubro pelo Furacão Lorenzo, deixando várias famílias desalojadas e uma preocupação minha e de muitos Faialenses resume-se ao fato de, nas notícias nacionais, termo-nos deparado com atrasos nas ajudas às famílias afetadas pelos incêndios de Pedrogão Grande. Esses atrasos amedrontam os faialenses que receiam que estes se repitam na região, pelo que peço que trabalhemos para regularizar a situação o mais rápido possível.

O segundo cumprimentos especial seria para os congressistas da JSD, uma família que me acolheu durante estes últimos quatro anos.

Outro tema que me preocupa trata-se da desertificação jovem. Infelizmente vivemos numa região onde a desertificação de jovens para o continente aumenta a olhos vistos. Cada vez mais perguntamos aos jovens deslocados na universidade se “voltam ou ficam?” e cada vez mais a resposta não favorece os Açores.

A alta taxa de desemprego jovem, a escassa oferta de trabalho privado, concursos públicos parciais, entre outros fatores descredibiliza a opção dos alunos de regressarem à sua terra natal.

Hoje, os concursos públicos, dão azo a uma nova pergunta: ” novo concurso publico? Para quem é?”.

Esta parcialidade descredibiliza os Açores como mercado de trabalho para os jovens. Principalmente nos Açores sendo a sua taxa de funcionários públicos bastante elevada.

Parcialidade e nepotismo são os dois grandes legados que este governo socialista irá deixar. Quando o desemprego jovem desce, os militantes da JS aumenta.

A transparência dos concursos públicos tem de crescer dando oportunidades a quem realmente merece e não a quem é primo. A reestruturação dos programas ocupacionais para que os mesmos tenham futuro no mercado de trabalho e não sejam um ciclo vicioso de programa a programa.

Precisamos de ver o emprego jovem como o futuro para todos e não como uma forma de reduzir o índice de desemprego para quem tem cartão de militante da JS ou do PS.

Os Jovens Açorianos precisam se um novo projeto político, precisam de oportunidades realmente iguais para todos. Os jovens Açorianos precisão de confiança e acredito ser esse o projeto do PSD/AÇORES.

Viva aos Açores.”

83159900_808736066282750_1379043638591356928_o